top of page

Para não dizer que não falei das bruxas






“The witch is the enemy of God, the enemy of men, enemy of the State. It’s the ultimate, irredeemable evil. And it’s a woman.” [1]- Silvia Federici


Não sei exatamente qual foi o caminho que me levou, semana passada, a descobrir um podcast da BBC Radio 4 sobre bruxas[2]. E agora que estou escrevendo sobre isso, parei para pensar do porquê eu ter achado que seria interessante ouvir o podcast e, mais ainda, escrever sobre este assunto aqui.


Correndo o risco de perder sua atenção a partir desta próxima frase, o que me segurou no podcast foi o fato dele tratar de um tema relevante para alguém que se arvora a pensar as dinâmicas de poder que sustentam a condição da mulher nas sociedades moderna e pós-moderna.


Para você que ainda continua por aqui, admito que eu não tinha muita clareza dessa correlação entre bruxas e feminismo além do já cansado jargão que crescemos ouvindo, de que toda mulher é meio bruxa, e das histórias de mulheres que, supostamente adeptas de todo tipo de feitiçarias, foram perseguidas, torturadas e queimadas, literal e figurativamente.


Ao longo de 13 episódios, fiquei intrigada sobre várias das questões que o podcast aborda - e quem sabe eu fale mais desses assuntos em outros textos-, mas agora vou contar rapidamente sobre algo que me chamou a atenção e que provavelmente vai me fazer comprar mais livros e ficar ansiosa por não conseguir lê-los.


Muito se especula sobre os motivos da perseguição, tortura e massacre de milhares de mulheres acusadas de bruxaria entre os séculos XV e XVIII, tanto na Europa quanto no Novo Mundo. No entanto, há historiadores que argumentam que a ideia da mulher diabólica estaria intrinsecamente ligada à ideia da propriedade sobre a terra. Esses historiadores sustentam que as mulheres acusadas de bruxaria foram principalmente aquelas que de alguma maneira se rebelaram contra os lugares social e econômico que a transição para o capitalismo e a perda de seus direitos sobre a terra as colocaram.


Resumindo muito a história e tentando não ser leviana com os fatos, com a transição da sociedade feudal para a sociedade capitalista, o senhor feudal, antes detentor da posse da terra, era agora seu proprietário. Com isso, as pessoas marginalizadas da terra passaram a trabalhar em troca de salário, e por pessoas que trabalhavam por salário devemos entender homens, e não mulheres.


Nesta nova ordem das coisas, o trabalho não remunerado não é mais considerado trabalho e o único que passa a ser valorizado é aquele exercido pelos homens. Nas palavras livremente traduzidas do podcast: “quem ganha o pão passa a ser dominante sobre quem faz o pão”.


Assim, o status das mulheres - que até então eram parte da força produtiva nos campos - sofreu uma mudança significativa tanto no aspecto social quanto econômico. Elas passaram a ficar confinadas no trabalho reprodutivo, como verdadeiras máquinas de produção de novos trabalhadores e desta maneira, portanto, altera-se profundamente a relação entre produção e reprodução, entre homens e mulheres.



A partir do momento em que as mulheres ficaram social e economicamente vulneráveis, sobre elas foi exercida toda sorte de controle e contenções, e a elas foram atribuídos os desvios e infortúnios da sociedade como um todo. Nas palavras de Silvia Federici, as bruxas “eram mulheres que resistiam à própria pauperização e exclusão social. Ameaçavam, lançavam olhares reprovadores e amaldiçoavam quem se recusava a ajudá-las”.[3] Como consequência, passaram a ser aceitáveis novas e diversas formas de violências exercidas contra elas.


Embora não seja possível determinar o número exato de mulheres que foram acusadas e mortas por bruxaria, estima-se que tenham sido centenas de milhares de execuções. E como tudo que envolve a narrativa das pessoas marginalizadas das sociedades, há muitos buracos que ainda precisam ser preenchidos nessa história.


Mas como narrativas são bases sobre as quais construímos nossas identidades e projetamos nossos futuros, é muito importante jogar luz sobre a história dessas mulheres, para que ela possa ser recontada sob uma nova perspectiva e, quem sabe, criar novas realidades para gerações futuras.


Bia Carvalho

[1] “A bruxa é inimiga de Deus, inimiga dos homens, inimiga do Estado. É o maior e irremediável mal. E é uma mulher.” – Silvia Federici, feminista e historiadora [2] O podcast chama-se Witch, foi realizado pela BBC Radio 4 e pode ser ouvido nas plataformas de streaming [3] Federici, Silvia. Mulheres e caça às bruxas. Ed. Boitempo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page